Território

O projeto Caçapava Geoparque contempla todo o município de Caçapava do Sul, de 3.047 km² e cerca de 35 mil habitantes.


Por sua grande variedade de rochas, minerais, estruturas tectônicas e formas de relevo, o município é uma verdadeira sala de aula ao ar livre para as geociências, o que lhe valeu o título oficial de 'capital gaúcha da geodiversidade' pela Lei Estadual 14.708/2015.


Suas paisagens possuem elevado valor estético e cultural, e abrigam modos de vida tradicionais, como os dos pecuaristas familiares, comunidades indígenas e remanescentes quilombolas. Essas tradições convivem em harmonia com atividades mais recentes, como a olivicultura e os esportes de aventura na natureza, especialmente a escalada em rocha, na Serra do Segredo, e o voo livre, no Cerro da Angélica e na Serra de Santa Bárbara.


A importância histórica do território do projeto Caçapava Geoparque também é um de seus destaques. O centro histórico guarda lembranças do tempo dos farroupilhas, quando Caçapava foi capital de um país, e possui as muralhas do Forte Dom Pedro II, construído na segunda metade do século XIX.


No sul do município, a vila Minas do Camaquã constitui um registro das diferentes fases da mineração de cobre, atividade que dominou a economia caçapavana no século XX. E o limite sul do território é desenhado pelas curvas do Rio Camaquã, segundo maior curso d'água exclusivamente gaúcho, que corta os maciços rochosos da área das Pedras das Guaritas, maravilha turística do Rio Grande do Sul.