Caçapava do Sul, a Capital Gaúcha da Geodiversidade

 

“Caçapava”, na língua Tupi Guarani, significa “Clareira na Mata”. Surgiu de um acampamento militar localizado no antigo povoamento dos índios charruas. Assim, iniciou a história do município pelos idos de 1777, quando nasceu a “Paragem de Cassapava”. Foi no dia 25 de outubro de 1831, elevada à categoria de Vila e em 09 de dezembro de 1885, à categoria de cidade.

 

O território do atual município foi constituído através de lutas, entre portugueses e espanhóis, que ensanguentaram o continente de São Pedro. Devido a sua localização privilegiada, Caçapava do Sul tornou-se a 2ª Capital Farroupilha. Isto ocorreu em 09 de janeiro de 1839, quando o Presidente Farroupilha Bento Gonçalves resolve, após diversas reuniões com seus ministros e generais, transferir a capital de Piratini para um lugar mais próximo do seu centro de operações e defensável. Caçapava do Sul permaneceu como Capital Farroupilha até 30 de maio de 1840. Neste mesmo ano, a Capital Republicana muda-se para Alegrete.

 

 

Fontes: 

Folders e Portfólio elaborados pela Secretaria de Município de Cultura e Turismo.

Livro “História do Município de Caçapava do Sul” de Nicolau da Silveira Abrão.

 

 

educational-questions-hand-drawn-speech-bubble.png
Curiosidades

Em Caçapava do Sul foi cantado, oficialmente, o hino rio­grandense pela primeira vez, em um baile realizado dia 30 de abril de 1839.

  • O Município é o maior produtor estadual de calcário agrícola.

  • Caçapava do Sul foi a 2ª Capital Farroupilha.

  • A Companhia Brasileira do Cobre – CBC, localizada nas Minas do Camaquã, Município de  Caçapava do Sul – RS (terceiro distrito), durante muitos anos foi a maior produtora de cobre do país.
    Foi fundada em 1942 pelo italiano, naturalizado brasileiro, Francisco “Baby” Matarazzo Pignatari. Chegou a gerar 30% da arrecadação do município,  encerrou as atividades em 1996.

  • O Município foi cenário do filme Anahy de Las Missiones, de Sergio Silva e “Valsa para Bruno Stein”, de Paulo Nascimento adaptado da obra de Charles Kiefer.

  • Caçapava do Sul é um dos locais mais procurados pelos praticantes de escalada.

  • Caçapava do Sul é um dos principais pontos de prática de voo livre do país. A rampa do município destaca-se no Brasil devido à possibilidade de decolagem de qualquer quadrante e facilitando o voo de cross-country (voo de distância). Aqui, inclusive já foram batidos recordes como em janeiro de 2012 quando o piloto André Wolf, de Porto Alegre, decolou do Cerro da Angélica em Caçapava do Sul e pousou em Uruguaiana, completando 370 km de voo e conquistando o recorde brasileiro e sul-americano de distância livre de asa-delta.

  • Caçapava do Sul é a Capital Gaúcha da Geodiversidade.

  • O General Francisco José de Souza Soares de Andréa, mais tarde agraciado com o título de Barão de Caçapava, quando em 1848, assumiu pela segunda vez a Presidência e o Comando das Armas da Província, temendo uma invasão (por parte do Ditador Rosas), tratou de fortificar a Província e, entre outras providências que tomou, mandou construir em Caçapava um forte (D. Pedro II), um quartel, e rodear o perímetro urbano de muralhas e trincheiras, bem como um depósito central de material para um exercito de vinte mil homens. Além do Forte D Pedro II, existe ainda uma pequena parte das muralhas, na região sudeste da cidade, bem como resquício das trincheiras.

  •  

    Na Caverna da Escuridão, da Pedra do Segredo somente é possível percorrer munido de lanterna, porque os gases deletérios apagam as velas, fato que a crendice popular atribui aos espíritos que guardam tesouros jesuítas.

  • A Pedra do Segredo foi sempre cercada de lendas sobre tesouros jesuítas escondidos no local.

  • Há mais de um século partiram de São Borja 5 sinos com destino a Caçapava do Sul. O maior deles caiu no Passo de Santa Maria, quando quebrou a carreta que o transportava. O outro foi para Santana da Boa Vista. O mais antigo de todos caiu do girau que o erguia provisoriamente em frente à Igreja e rachou, sendo vendido como ferro velho. Os dois restantes estão instalados nas torres. Em ambos, estão gravadas as datas da fundição (1715 e 1732). No de 1715 consta o nome do índio fundidor, Inácio Guarepí e mais a inscrição: “Beata Virgo Lauretana Ora Pro Nobis Anno 1715”.

  • Foi na legendária “Sentinela dos Cerros” cantado, oficialmente, o hino Rio­grandense pela primiera vez, no baile realizado a 30 de abril de 1839, quando se festejava o primeiro aniversário do combate de Rio Pardo. Seus habitantes comemoraram com grandes festas a mudança da capital, de Piratini para Caçapava do Sul. Depois da cerimônia realizada na Câmara Municipal, num domingo, todos se dirigiram a ouvir Missa e o “Te Deum” em ação de graças pelas vitórias dos republicanos. Rezou a missa o Rev. Vigário da Vara, Fidêncio José Ortiz da Silva, servindo de acólito o Rev. Padre Antônio Homero de Oliveira.

  • Em Agosto de 1865 o Imperador Dom Pedro II  veio à Caçapava do Sul. Na ocasião foram colocadas pedras em um trecho da estrada para dar trânsito às carretas e carretilhas da comitiva do Imperador.   A “Estrada da Calçada” está preservada até os dias de hoje.

  •